Exposições

Bios: vida

Bios: vida

Graziela Pinto

Individual Graziela Pinto

bios: vida


E chegar� o momento de ver que somos todos um

E a vida flui dentro de voc� e sem voc�


George Harrison, Within You Without You



Nos últimos anos, Graziela Pinto se dedicou � produ��o das pinturas, desenhos, obras tridimensionais e em v�deo que comp�em a mostra bios: vida, na qual nos apresenta � sua geometria org�nica permeada pela natureza. N�o como se geometria e natureza fossem distantes ou opostas � a natureza, t�o cara � artista, emprega a geometria de maneira magistral. E, do macro ao micro, da ab�bada celeste aos m�nimos �tomos, a natureza repete a mais est�vel e sim�trica das formas: a esfera. Al�m dela, aparecem na obra de Graziela correntes e elos, entrela�amentos e fractais, outros s�mbolos da infinidade compulsiva dos ciclos que configuram a pr�pria vida, organizados em �biomas� ou grupos de vidas particulares concebidos pela artista para cada um dos trabalhos.


Nas obras reunidas em bios: vida, Graziela busca uma s�ntese formal de elementos recorrentes em sua po�tica. As aves, por vezes t�o fielmente retratadas, s�o insinuadas por meticulosas penas pintadas sobre telas ou bolas de madeira, estas protegidas por estruturas emaranhadas em cobre oportunamente chamadas de �ninhos�. Esferas brancas simuladas na pintura ganham diferentes cargas simb�licas conforme o desejo da artista: parecem ora leves, fr�volas e ef�meras como bolhas de sab�o, ora densas e firmes como feitas de pedra ou madeira maci�a. No meio termo dessas perman�ncias, elas s�o a vida presente, sugerida como tatu ou como ovo que secreta nova exist�ncia. A arte �, muitas vezes, entendida como espelho que reflete o esp�rito do artista e seu estado de �nimo. Se � verdadeira, essa coloca��o esclarece a representa��o de abrigos como os ninhos, os ovos, a carapa�a do tatu ou as cascas que protegem as sementes dos frutos no momento em que Graziela, gr�vida, aguarda a chegada de seu segundo filho.


Uma tradi��o da natureza-morta, g�nero referenciado nestas obras, advertia-nos sobre nossa condi��o humana. Entre as alegorias escolhidas para simbolizar a fugacidade da vida, figuravam iridescentes bolhas de sab�o. � verdade, somos fr�geis e breves. No entanto, brilhamos. Na obra de Graziela Pinto, a bolha remete ao memento vivere: em oposi��o ao lembrete da partida, sua natureza-viva � a celebra��o da passagem.


bios: vida conta ainda com o v�deo Duas bolas (2014), no qual uma esfera branca � lan�ada ao mar em dois momentos � pela manh� e � noite. A bola flutua e se agita ao sabor das ondas. Formalmente, torna-se pintura em movimento, uma experi�ncia sobre a massa e a solidez deste objeto, sobre ilumina��o, profundidade e ponto de fuga. Por outro lado, pode ser interpretado como a observa��o de seu vest�gio material sobre a natureza, o ineg�vel registro de sua presen�a � embora pequena, sua a��o atesta ao mundo �eu tamb�m estive aqui�.



Deborah Moreira, pesquisadora, redatora e crítica. Bacharel em Artes Plásticas (FASM-SP) com formação complementar nas áreas de design gráfico, política e feminismo.